21 meses, 4 anos e 8 meses

Em breve Alexander e Cecilie completam 2 anos. Em breve Matias completa 5 anos. O tempo passa e passa rápido.

Eu ainda estou em casa cuidando deles a maior parte do tempo, mas estou acabando a faculdade, então fiz duas disciplinas esse semestre. Uma para escrever o tal do Trabalho de Conclusão de Curso, vulgo TCC, e outra sobre Teoria da Orientação.

Estou num período em que tudo está se conectando a tudo. Então mesmo as teorias acadêmicas mais ásperas encontram conexão com meu dia a dia. Meu TCC foi sobre Análise Epistêmica Crítica do Discurso e isso envolve conceitos cognitivos que, naturalmente, encontraram sua conexão com meus questionamentos existenciais. E esses questionamentos fazem parte do meu dia a dia materno. O curso de orientação foi diretamente conectado à minha maternagem. Como orientar meus filhos da melhor maneira possível? Como fazer deles sujeito de suas vidinhas? E como respeitar a subjetividade da existência deles sem impôr a minha e torna-los objeto?

Junto a isso, voltei a ler sobre o Círculo da Segurança, vulgo Teoria do Apego na prática [ainda vou escrever posts sobre isso, mas ainda me encontro ruminando o que leio sobre isso. Ainda não dá pra pôr pra fora]. Enfim, todas essas leituras e releituras, questionamentos e ruminações filosóficas têm me destruído e reconstruído com muita frequência.

Um ótimo exemplo: eu sempre gostei de usar a chamada Regra de Ouro como norte para minhas ações. A Regra de Ouro diz que devemos fazer aos outros aquilo que gostaríamos que nos fosse feito – ou que não façamos aos outros o que não gostaríamos que nos fosse feito. Sempre achei a regra linda! Eu quero tudo de bom pra mim. De acordo com a regra, vou fazer tudo de bom para o outro.

Só que não é bem assim.

O outro não sou eu! Lançar meu julgamento sobre o que é bom em cima do outro é mascará-lo. É vesti-lo de Helena sem mesmo perguntar se pode. O outro também é sujeito, assim como eu. E só ele sabe o que é bom pra ele. Subjetivamente, eu só sei o que é bom pra mim. Essa idéia de fazer o melhor pelo outro causa guerras! Isso mesmo! Eu disse guerras! O ocidente invade países do oriente e força democracia goela abaixo. Exige que se realizem eleições livres e democráticas. Eleições feitas, o povo elege ‘ditadores’, ou quem quer que seja que não esteja de acordo com as idéias que gerem ganho econômico ao ocidente. Logo, é guerra! Golpe! Sanções!

A gente veste o outro com nossa roupa – seja ela pequena ou grande demais -, e não consegue aceitar o fato de o outro agradecer o gesto, mas devolver a peça.

A gente faz isso o tempo todo. A gente faz isso com nossos filhos. ‘Meu filho vai ter tudo o que eu não tive.’, ‘Meu filho pode ser o que ele quiser. Médico, advogado, dentista. Gari? Nunca!’ A gente cobre nossos filhos com nossos sonhos frustrados. A gente esquece que eles também são sujeitos. Sujeitos de suas vidas.

A Regra de Ouro continua sendo linda e válida em situações objetivas, tipo, ‘bater ou não bater?’ Mas nas zonas cinza, ela é falha. O outro merece ser protagonista da própria vida, da própria existência.

Como mãe, me cabe garantir que meus filhos tenham tempo e espaço para organizar as próprias idéias, traçar seus planos e caminhos. E como a mão do Circulo da Segurança, eu só preciso estar disponível. Disponível para me deleitar neles, e recebe-los quando se sentirem inseguros, machucados, cansados. Eu só preciso ser o porto seguro. A exploração do mundo fica a cargo deles.

Mas essas são divagações minhas. Coisa de ser humano em constante transição.

Agora, mais sobre as crianças:

  • Ainda amamento em livre demanda, 24/7 [Yey!]
  • Alexander e Cecilie começam na creche em agosto [Yey!/Buá!]
  • Matias continua crescendo e surpreendendo a gente [já corrige meu norueguês, hunf!]

Um abraço.

4 pensamentos sobre “21 meses, 4 anos e 8 meses

  1. Estava sentindo falta desses textos, de participar dessa mente pensante, que me abre a visão de um novo mundo, novos atos, novas idéias…. mesmo de longe, é muito bom compartilhar das suas idéias e pesquisas.
    Eloah pagou de mamar, não por ela, mas acabou aceitando numa boa…rs. eu achei que estava na hora.

    • Oi, Fight!

      Minha fiel seguidora. Obrigada.

      Amamentar é uma negociação entre duas partes – ou três, ou mais. Deve ser prazeiroso para todos os envolvidos. Não adianta dar o peito, mas se sentir mal por isso. Fazer porque os outros acham que assim deve ser. Também não devemos parar com base na opinião alheia. Com o tempo a gente vai descobrindo junto com a criança outras formas de consolo, de carinho, de compartilhar calor e toque. E aí, a própria criança começa a entender que há formas tão boas quanto o seio de se acalmar. Eles ficam mais independentes, donos de si. Faz parte.
      Tenho lido isso na teoria do apego. Dormir junto, dar o peito, ter parto natural, carregar no sling… nada disso garante um bebê seguro. A segurança está na sua disponibilidade e capacidade de ler e atender as necessidades dele. Tenho certeza que Eloah, assim como Brenda, são meninas seguras e confiantes, que crescem e se desenvolvem junto de vocês.

      Um beijo, e nos vemos em breve!

  2. A Regra do Ouro serve para os fracos! Os fortes vão muito além dela. Pra ajudar alguém eu penso que você precisa estar disponível, antes, para conhecer o outro, e ele disponível para se desnudar diante de ti. De outra forma a ajuda é uma inútil tentativa de se sentir útil, sem se preocupar se realmente o é. E nunca, mas nunca mesmo acredite no vice-versa!
    Em tempo…as crianças estão lindas, e você também!
    Felicidades.

    • Não diria que a regra é “para os fracos”. Estamos todos aprendendo a cada dia. O óbvio só se torna óbvio quando é dito. O que hoje é obvio para você pode não ser óbvio para o vizinho. É importante estimular a reflexão sem ser grosseiro ou denegrir o outro. Quem já age de acordo com a Regra de Ouro está buscando ser melhor em favor do outro. Melhor usar esse desejo como trampolim para uma reflexão mais profunda.

      Nos vemos em breve!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s