Arquivo de Tag | Alimentação infantil

Comparando II – semana 16-17

Estamos a 16 semanas e 6 dias. Completamos 17 semanas amanhã. Estamos no limbo. Entre o nada e os chutes intensos. Entre o não saber e a ultra que deve revelar os sexos dos bebês – liberando a besta compradeira adormecida em mim.

Já sinto os chutinhos, mas são leves e ainda não dá pra separar um bebê do outro. Só sinto os chutes e movimentos em lugares diferentes. E a intensidade e frequência aumentaram um pouco ontem. Não faço idéia da posição que eles estejam na barriga. A próxima ultra vai ser mesmo reveladora. A espera é maçante.

Passei um dia com uma amiga que também está grávida de gêmeos. Foi bem legal… ela está no sétimo mês. Uma tenda, claro! Destino de todas nós, grávidas. É muito bom ter alguém pra compartilhar esse tempo. Ela vai ter um casal. Também são gêmeos fraternos, e a dupla ovulação foi causada pela idade. [Vou escrever uma página aqui no blog só com as explicações por trás da genética ou acaso dos gêmeos.]

[PROPAGANDA GRATUITA] Bom, estivemos em Portugal. Voltamos ontem. Foi uma viagem a trabalho, mas com um pouco de férias incluída. A viagem foi tranquila, afinal viajei de KLM, minha companhia aérea preferida. Ela é mais cara, mas vale cada centavo. Eles têm um cuidado com os passageiros que não encontro em outras companhias – não a estou comparando a Etihad, por exemplo, com a qual nunca viajei. Mas entre as européias, a KLM se destaca. Os cuidados comigo por estar grávida são ainda maiores. Tanto na classe econômica quanto na executiva. Aliás, a classe executiva é uma coisa à parte. Fui de econômica e voltei de executiva. Na volta, não aguentei e tive que perguntar à uma das aeromoças se trabalhar para a KLM é tão prazeiroso quanto viajar com eles. Primeiro ela me perguntou o que eu achava, a julgar pelo que via. “Me parecem bastante felizes”, respondi. Ela disse: “Trabalho na KLM há 33 anos, e não troco por outra”. Antes pensava que aeromoças se aposentavam cedo, que essa era uma carreira como a de modelo, efêmera… não na KLM. A partir de outubro passado, a KLM passou a cobrar pela bagagem de porão dos membros do clube de fidelidade. Uma ninharia, e ainda assim não comprometeu seu serviço em absolutamente nada. Espero que ela continue definindo padrões na Europa, e não baixe o nível para alcançar as demais empresas de baixo-custo e nenhum respeito aos passageiros. Também espero que ela exija uma melhoria nos atendimentos das demais companhias do SkyTeam (AirFrance, Alitalia, Transavia etc) porque essas ainda deixam muito a desejar quanto à qualidade do serviço. Sempre que possível, evito vôos operados pelas empresas parceiras.[FIM DA PROPAGANDA GRATUITA]

Mas não estamos aqui para rasgar ceda. Estamos aqui pra falar dos mllagrinhos…

Durante a semana em Portugal, notei a barriga bastante endurecida. E isso me cansa. Ela fica tensa quando eu estou cansada ou estressada, se exigir demais do meu corpo. As recomendações para grávidas de gêmeos são diferentes daquelas para as demais grávidas. Por serem dois bebês, a quantidade de sangue sendo bambeado pelo coração é muito maior, o que exige que ele trabalhe mais. Essa minha amiga grávida que encontrei, disse que agora, aos sete meses, se exigir demais do corpo, desmaia. Por conta disso, o nosso limite é logo ali adiante. Não dá pra fazer muita coisa. Pra mim, um banho demorado já significa uns 15 minutos estirada no sofá pra recuperar o fôlego e desacelerar os batimentos cardíacos.

Não sei se comentei em algum dos posts anteriores, mas o meu leite secou há duas semanas. Na verdade, foram a consistência e o sabor que mudaram de uma hora para outra e Matias notou. Estava fazendo os 10 segundos de mamada com ele. Quando o gosto mudou ele não aguentou mamar por 7 segundos e largou o peito. Disse que eu tinha que limpar o peito pra o leite voltar a sair. Pediu água pra lavar a boca depois de algumas tentativas frustradas e logo disse: “É bom beber água. Não é bom mamar”. Desde então as mamadas ficaram fisicamente mais doloridas porque só sai um líquido gordo, com sabor de sabão e em pouquíssimas quantidades [Sim, eu provo meu leite com frequência]. Mas Matias é meio brasileiro e não desiste nunca. Continua tentando “achar” o leite. Eu já não ofereço o peito conscientemente e algumas vezes nego. Hoje ele mesmo disse: “Hum, agora peito só mais tarde, quando eu for dormir”. Melhor assim. Queria uma pausa antes de recomeçar a amamentação com os gêmeos.

Mas ele está bem. Às vezes a gente tem problemas pra fazê-lo comer comida. Tem dias em que ele só quer porcaria e se nega a comer a janta. Mas isso dura pouco e acho que tem mais a ver com a fase do que com os hábitos alimentares dele. Matias é bom de garfo. Na creche dizem que ele é um dos menores do grupo, mas o que mais come. Quando chega em casa, só quer comer até ir dormir. A gente precisa controlar melhor os horários. Se deixar ele mastiga o tempo todo. E na verdade, come de tudo. E gosta muito de feijão com arroz, macarrão, patê de fígado, fígado frito, frutas etc. Os legumes têm dias definidos, por assim dizer. Tem dia que só quer cenoura, no outro só batata, no outro brócolis e assim por diante.

Em Portugal ele dançou forró e lutou capoeira. Adorou! Já estou até vendo Matias daqui alguns anos fazendo essas coisas.

Matias no forró

Matias (e Morten) aprendendo os paços básicos do forró universitário com o professor Pablo Dias, em Lisboa.

Matias na Capoeira

Matias (e Morten) aprendendo Capoeira com o grupo Nova Aliança, em Lisboa.

Ele fala pelos cotovelos, como já disse. Diferencia norueguês de inglês, e às vezes chama português de inglês. E é um galã de mão cheia. Andava atrás das minhas alunas em Portugal. À mesa, durante o jantar numa churrascaria, ele pôde tomar um golinho de coca-cola do pai. Minhas alunas estavam sentadas do outro lado da mesa, e ele me solta: “Damas! Estou bebendo coca-cola!”

Com essa encerramos a conversa e vamos às fotos comparativas.

comparando 16-17

Comparando II

2 anos!

Tanta coisa aconteceu ao longo dos últimos 365 dias. Comum a todos os dias é meu sentimento de gratidão à Deus por ter me presenteado com a responsabilidade de guiar Matias enquanto ele precisar. Ter o prazer de gerar um filho não nos é garantido. Receber a graça de poder aprender a amar uma pessoa pra além de nós mesmos é uma dádiva. Poder dividir essa experiência com outra pessoa também não é via de regra. Mas agradeço à Deus por ter me confiado Matias e ter escolhido Morten para dividir comigo essa caminhada de aprendizado.

********

Bom, Matias é, como toda criança, especial. Apesar de ser menino, é bastante detalhista e observador. É falante. Fala, fala e fala! E eu fico babando, observando o desenvolvimento dele: de sílabas, para palavras e agora frases – em português e norueguês. Adora cantarolar, gosta que a gente leia historinhas pra ele antes de dormir – e às vezes no meio do dia também. É fascinado por tudo o que tem roda. Carrinhos, tratores, trens, ônibus. Gosta de Lego e coisas de encaixar. Desenvolveu logo a coordenação motora fina. Deu os primeiros passos na véspera do ano novo, com 1 ano e dois meses. Desde então não pára. Corre o tempo todo! E eu tenho que correr junto, claro. Gosta de assistir a “O bombeiro Sam”, canta a musiquinha e tudo, “Pocoyo”, “O jardim dos sonhos” e “Raa Raa, o leão barulhento”. Ai, ele está uma gracinha, só vendo mesmo. Eu poderia escrever um testamento sobre cada detalhe, mas é melhor me controlar. Então, vamos por partes.

Brasil

Matias e o primo na casa da vovó.

Matias e o primo na casa da vovó.

Estivemos no Brasil entre julho e agosto para exibir o rebento. Foram 3 semanas corridas, intensas, às vezes estressantes, mas muito gostosas. Matias pôde rever os avós brasileiros, rever e conhecer os tios e conhecer o único primo brasileiro. E conhecer o restante da família, claro. Meus primos, meus meio-irmãos, meus tios e tias, alguns amigos etc. Matias adorou os churrascos. Arroz e feijão. Fazer bagunça com a vovó, visitar o vovô, brincar com o primo, andar de ônibus e trem – que pra ele é um evento social, foi à praia. Nós tivemos alguma dificuldade com o fuso, e em manter a rotina dele. Foi bastante doloroso pra mim. No Brasil tudo acontece à noite. Festas de crianças podem começar às 19 horas. As festas da minha família só esquentam mesmo lá pelas 21 horas, quando não lá pelas 23 horas. Mas Matias vai pra cama cedo. Quando dorme às 21 horas eu já me descabelei toda. Geralmente, entre 19 e 20 horas Matias já está na cama. Difícil conciliar. E tudo no Brasil é longe também. Às vezes tínhamos que ir embora bem cedo pra chegar a tempo de coloca-lo na cama e evitar uma crise de choro por exaustão. Levamos a cadeirinha do carro daqui, levamos também o carrinho safado de viagem – que não foi usado nem 1 vez. Matias só queria andar, e na maioria das vezes o canguru era mais prático que o carrinho.

Brincando com o trem que ganhou do Vovô Chico.

Brincando com o trem que ganhou do Vovô Chico.

Creche

Brincando no ginásio com o grupo da creche.

Brincando no ginásio com o grupo da creche.

Matias trocou de creche esse ano. No ano passado ele frequentou uma Creche Familiar, com 8 crianças. A creche ficava perto do meu trabalho. Ao final do ano já estava ficando complicado viajar com Matias. Depois que começou a andar, ficar sentado por mais de 20 minutos era bastante desafiador. Com a graça de Deus, conseguimos vaga na creche da universidade que fica entre a nossa casa e o ponto de ônibus. Show! Essa creche tem mais de 100 crianças! Mas o grupo de Matias tem 21 crianças e fica dividido em dois, sendo o grupo dele o menor, com 8 crianças. A creche é bem legal e eles seguem a Teoria do Apego! Amei! Quando chegamos do Brasil, fomos direto pra adaptação na creche. Por sorte eu fui convocada para a greve de professores e deu pra acompanhar as primeiras 3 semanas dele na creche. Matias se adaptou bem, mas relutou em dormir na creche. Ao final de 4 semanas eu estava quase voando no pescoço dos assistentes por isso. Matias não dormia na creche e chegava em casa uma pilha. Como Morten viaja toda semana, eu fico muito sozinha com Matias. Eu não estava aguentando! Mal conseguia fazer janta, e quando fazia era com Matias no meu colo. Foi super cansativo. A solução foi começar a acorda-lo às 6 da manhã pra garantir que a soneca se tornasse irresistível na creche. Desde então, Matias dorme que é uma beleza e é outra criança quando chega em casa.

Amamentação

Matias ainda mama! Yes! E pensar que meu tímido plano era amamentar por 6 meses. A OMS recomenda amamentação em livre demanda até pelo menos 2 anos, mais se possível. Isso eu consegui! Matias fica bem sem mamar durante o dia, enquanto está na creche. Come tudo o que dão lá. Ele mama no caminho pra casa, se eu for busca-lo, ou quando chega em casa nos dias que Morten vai busca-lo. Depois mama pra dormir, e algumas poucas vezes, ou talvez uma vez, durante a noite (eu não sei ao certo quantas vezes ele mama durante a noite porque ele não me acorda). Ou seja, livre demanda pura. Ele esteve resfriado duas vezes seguidas essas últimas semanas, e foi bom saber que ele pelo menos estava mamando, porque não tinha apetite pra mais nada. Por enquanto o plano é o desmame natural. Ele ainda não reflete sobre mamar. Então não vejo razão para desmama-lo, nem pra falar sobre isso ainda. Ele nem se importa de mamar na creche, com outras crianças maiores olhando. Ainda diz pra eles: “Não, é meu!”

Cama compartilhada

Ainda em vigor no nosso pequeno reino. Em time que está ganhando não se mexe. Matias dorme bem, nós dormimos bem. Matias está bem apegado e seguro de si. Nós estamos seguros e satisfeitos com a nossa escolha. O pessoal na creche perguntava se Matias não usa chupeta, se não tem um ursinho ou algo que o valha pra ajuda-lo a dormir. Eles sempre ficavam admirados com a resposta. Não, Matias não usa “props” pra dormir. Na creche, eles o colocam na cama, e ele adormece. Sem choro. E se ficar sozinho, dorme ainda mais rápido.

Fralda, desfralde

Matias ainda usa fraldas. E descartáveis por causa da alergia. Matias reagiu mal às de pano e reage mal a qualquer fralda com muito gel, loção, perfume etc. Resumo. Usamos as fraldas mais baratas do mercado. Na creche que ele está, as crianças são incentivadas a usar o vaso. Matias gosta da brincadeira, de jogar papel no vaso e dar descarga. Mas ainda prefere fazer xixi e cocô na fralda. Ele ainda avisa. Antes negava que estivesse fazendo cocô, mas agora já diz que “sim”. Ele gosta de ficar pelado, e ultimamente tem pedido pra ficar pelado um tempo antes de dormir. Ontem ele ficou tanto tempo sem fralda que acabou fazendo xixi na cama enquanto brincava 😦 Enquanto ele não se interessa mesmo por usar o penico e o vaso, vamos deixando ele usar fraldas. Daqui a pouco o inverno está chegando, e aí fica mais difícil fazer o desfralde. Melhor esperar pelo próximo verão.

Alimentação

Matias fez 2 anos anteontem e parece que um botão foi ligado nele. Ele esteve doente, como disse antes, e o apetite desapareceu. Mas desde ontem ele tem comido porções maiores. Ele já pede comida quando está com fome, e o peito se está entediado, triste, com sono, com dor ou depois de ficar muito tempo longe de mim. Durante um período Matias só queria comer cenoura, se negava a comer batata. Agora, não quer cenoura, mas come batata. Adora patê de fígado, carne, milho, ovo e sempre pede arroz e feijão. Mas o campeão: frutas! E pode ser qualquer uma. Ir ao mercado com ele significa comprar alguma fruta, mesmo que a gente já a tenha em casa. A primeira seção, na entrada do mercado, é a de frutas, e Matias começa a gritar: Uva! Banana! Ameixa! Bringebæar! (framboesa) Jordbæar! (morango) Appelsin! (laranja) Blåbær! (mirtilo)… e não tem jeito, sempre tenho que comprar uma fruta que seja. Eu tento evitar que ele coma muita porcaria. Mas é difícil. Porcaria é o que mais se oferece e serve à crianças. Balas, doces, refrigerantes, sorvete, biscoitos etc… Na festinha de aniversário de 2 anos ele pôde tomar “uma dose” de coca-cola com o pai. Às vezes sinto que essa é uma batalha vencida, e não por mim. A pressão é muito grande. Eu chamo Morten de “candy man”. É muita bala de goma, muita coca-cola, muito açúcar, muita batata frita, gordura etc. Ele até que tem conseguido respeitar bastante meu desejo de que Matias não seja imerso nessa dieta de engorda dos infernos que condena crianças à diabetes, obesidade, doenças cardíacas etc. E é importante dizer, não quero que Matias nunca coma essas coisas, mas como dizem, nos primeiros anos de vida a gente define a dieta pro resto da vida. É impossível não comer lixo nessa industrialização global dos alimentos, mas quanto mais consciente ele estiver sobre sua própria dieta, melhor chances ele terá de fazer escolhas mais saudáveis no seu dia-a-dia. Como mãe, me sinto responsável por tomar as melhores decisões por ele até que ele possa decidir por si só. Mas acredito na decisão informada. Não acredito que o tornando escravo da gordura e do açúcar seja uma maneira muito inteligente de ensina-lo a comer de forma saudável. Mas, claro, nada disso é simples, e minhas aspirações sobre ter um filho que não torça o nariz para legumes não estão garantidas de se concretizarem.

Expectativas

Mais um ano começa e espero poder me manter firme no meu desejo de cuidar de Matias, de dar à ele o tempo e o amor necessários pra que ele cresça “em estatura e sabedoria”. É maravilhoso vê-lo se desenvolver, descobrir novas coisas sobre si e sobre o mundo. É bom conhecê-lo melhor a cada dia, porque todo dia uma nova característica da personalidade dele aparece.

Assoprando a velinha. Festinha de 2 anos.

Assoprando a velinha. Festinha de 2 anos.

Comemorando os 2 aninhos completos.

Comemorando os 2 aninhos completos.